Ipirangadigital: memórias digitais para a preservação dos lugares simbólicos da independência

Palestra online com os responsáveis pelo escaneamento 3D do Museu do Ipiranga e com os responsáveis pelas obras de restauração.

Dia 7 de setembro, às 17hs, será realizada uma palestra online, via zoom, para falarmos sobre o processo de restauração do Museu do Ipiranga. A Independência do Brasil completará 200 anos em 2022, ano também que será marcado pela reabertura do Museu do Ipiranga. O Circolo Italiano de San Paolo convidou para um bate-papo alguns profissionais que estão envolvidos no processo de restauração do museu.


Uma das etapas mais interessantes foi o uso da tecnologia para o desenvolvimento do projeto. Vamos conversar com os responsáveis pelo escaneamento a laser em três dimensões do Parque da Independência (Museu do Ipiranga, Parque e Monumento a Independência), uma cooperação científica entre o laboratório de pesquisa da Università deli Studi di Ferrara (Unife) _ Development of Integrated Automatic Procedures for Restoration of Monuments (DIAPReM) e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP). Também será apresentada a plataforma Ipiranga Digital, comunicadas as futuras iniciativas do projeto, assim como reveladas informações sobre o andamento das obras do Museu do Ipiranga com o escritório responsável pelo projeto, Hereñú & Ferroni Arquitetos.


O Circolo Italiano está envolvido atualmente com o projeto do Museu do Ipiranga numa parceria com a Universidade de Ferrara na Itália, mas seu envolvimento é centenário, quando os arquitetos italianos frequentavam as mesas do circolo e debatiam e tomavam decisões sobre a arquitetura e engenharia do museu. Essa será a primeira palestra de uma série bimestral que serão apresentadas até o Bicentenário da Independência.


Para participar basta se inscrever no link do webinar:

https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_ICeuqX1LRUizchgZLUJDJw


Informações sobre o Evento

- Ipirangadigital: memórias digitais para a preservação dos lugares simbólicos da Independência brasileira

- com tradução simultânea

- duração: 1 hora e e meia

- data: 7 de setembro

- horário: 17:00


- Palestrantes convidados:

Marcello Balzani e Luca Rossato (Universidade de Ferrara, Itália)

Beatriz Mugayar Kuhl e Renata Campiotto (FAU USP)

Departamento do Patrimônio Histórico da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo

Hereñú & Ferroni Arquitetos


Imprensa, entrar em contato com Everton H. V. Costa (011) 98915.8461 comunicacao@circoloitaliano.com.br


Currículos dos participantes:

Marcello Balzani (Universidade de Ferrara, Itália)

Arquiteto, Professor Titular do Departamento de Arquitetura da Universidade de Ferrara. Diretor do Centro Departamental DIAPReM, (www.diaprem.unife.it) que ele fundou. Responsável Científico do Laboratório TekneHub (www.teknehub.it) do Technopole da Universidade de Ferrara, afiliado à Rede de Construção de Plataforma de Alta Tecnologia Emilia-Romagna. Desde maio de 2017 ele é Presidente da “Clust-ER Building and Construction Association”.

Ele é membro do ICOMOS e da UID (União Italiana de Desenho). Diretor do Master eBIM interuniversitário de nível II: Modelagem de Informação Predial existente para a gestão da intervenção no ambiente construído, para o treinamento do gerente BIM estabelecido e promovido pelas Universidades de Ferrara, Modena e Reggio Emilia e Parma e o sócio Harpaceas. É autor de mais de 300 publicações.

Luca Rossato (Universidade de Ferrara, Itália)

Arquiteto e Doutor em Planejamento Urbano e Arquitetura è pesquisador full-tima RTDa e colaborador do centro DIAPReM, Departamento da Arquitetura da Universidade de Ferrara. Inicialmente atuou como bolsista em projetos de pesquisa (2008), e sucessivamente como professor do curso de Arquitetura, professor visitante da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Universidade CEPT (Ahmedabad, Índia), Universidade Mackenzie (São Paulo, Brasil), desenvolvendo pesquisa em temas ligados a representação e o levantamento da arquitetura e a análise urbana e arquitetura modernista.

Participa do setor editorial sendo membro da redação de "Paesaggio Urbano", "Architetti.com progetto e immagine digitale" e "Architetti idee cultura e progetto" e outras revistas. É autor de uma série de publicações entre: catálogos, artigos científicos, volumes e resumos em Anais de Congressos. É sócio da associação científica UID – Unione Italiana Disegno e membro ICOMOS.

Beatriz Mugayar Kühl (FAU USP)

Beatriz Mugayar Kühl é arquiteta formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (1988), com especialização e mestrado em preservação de bens culturais pela Katholieke Universiteit Leuven (1989-1992), Bélgica, doutorado pela FAUUSP (1996) e pós-doutorado pela Università degli Studi di Roma “La Sapienza” (em estágios não-consecutivos realizados entre 2001-2005).

Desde 1998 é professora do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto (AUH) da FAUUSP, onde é professora titular (desde 2017) e se dedica a disciplinas de história da arquitetura e de preservação, tanto na graduação quanto na pós-graduação. Tem diversos textos publicados, entre eles os livros Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo (São Paulo, Ateliê/FAPESP/SEC, 1998), Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização (Ateliê/FAPESP, 2009, 2a ed. 2018); também é responsável pela tradução e publicação de vários textos sobre o restauro na coleção Artes & Ofícios da Ateliê Editorial.

Renata Campiotto (FAU USP)

Aluna de Doutorado Direto no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (área de História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) da FAU-USP, com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Foi pesquisadora TT-3/A da Universidade de São Paulo no projeto do Plano de Conservação Preventiva para o Edifício Vilanova Artigas (FAU-USP) do programa Keeping It Modern - Getty Foundation (2015-2017).

Foi parte do Conselho Administrativo e Representante Oficial da região brasileira no Capítulo Latino-Americano e Caribenho da Association for Preservation Technology International (APTi) - Gestão 2020.

Hereñú & Ferroni Arquitetos

Fundada em 2002 pelos arquitetos Pablo Hereñú e Eduardo Ferroni, a H+F Arquitetos vem construindo um percurso estruturado a partir da complementaridade da atividade profissional - através da elaboração de projetos públicos e privados com diversos programas e escalas de abrangência - e da acadêmica, por meio do ensino e da pesquisa.

Pablo Hereñú, Arquiteto e Urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP em 2001. Mestre em 2007 e Doutor em 2016 pela mesma instituição. Titular da empresa Hereñú+Ferroni Arquitetos desde 2002. Professor de projeto na Escola da Cidade, São Paulo, desde 2002 e Professor Visitante da Universidade da Florida - EUA, em 2007.

Eduardo Ferroni, Arquiteto e Urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP em 2001 e Mestre pela mesma instituição em 2008. Titular da empresa Hereñú+Ferroni Arquitetos desde 2002. Professor de projeto na Escola da Cidade, São Paulo, desde 2002

Posts Em Destaque